As minhas experiências de vida...

Neste blog quero partilhar as minhas experiências de vida, boas e mas, no que foi e no que é a minha vida direcionada ao voluntariado...


Eu e as minhas meninas

Eu e as minhas meninas
em inhabane

a comer uma paparoca feita de fruta

a comer uma paparoca feita de fruta

Voluntariado em Moçambique


A notícia:
JOVEM DE PENAMACOR EM MISSÃO DE VOLUNTARIADO COM CRIANÇAS EM MOÇAMBIQUE

"Na bagagem levo mais material escolar que roupa" A Câmara apoia uma jovem que vai para Moçambique numa missão de voluntariado com crianças
Andreia Martins parte amanhã, quinta-feira, para Moçambique, onde, ao longo de quatro meses estará envolvida numa missão de voluntariado com crianças daquele País Africano de Língua Oficial Portuguesa (PALOP).Este é o segundo projecto em que esta jovem de 20 anos, natural de Aldeia de João Pires, está envolvida no espaço de um ano. António Tavares
(…) A notícia continua na íntegra na edição impressa do Jornal Gazeta do Interior.
31-10-2007 Edição: 985


A viagem para Moçambique:

Foi no dia um de Novembro de 2007 que voei rumo a Moçambique, foram 13horas longas dentro do avião onde nada havia para fazer para alem de estar sentada e quando dei por mim estava relembrar-me de momentos da minha vida, das pessoas que deixava em Portugal e do que me esperava em Moçambique. A baila vinham muitos sentimentos tais como o medo, o medo de não voltar para casa e de nunca mais poder estar com os meus familiares, mas na verdade a força de vontade era maior que o medo, e a verdade é que eu queria mesmo fazer algo por aquelas pessoas que nem sequer conhecia!

A chegada a Moçambique:

Quando cheguei ao aeroporto de Maputo deparei-me logo com a falha eléctrica e claro com a pobreza nada do que não estivesse a espera.
Na vistoria das malas os inspectores subornavam sem qualquer problema os viajantes e o ridículo é que quando entrei na sala deles com as malas deparei-me com um cartaz bem grande onde dizia que o suborno era crime e que todos o devíamos denunciar mas se nem a lei os faz parar muito menos fará um cartaz. Claro comigo não houve excepção e abri uma das malas, as quais continham material escolar e pronto primeiro começaram por dizer que tinha de pagar para poder passar com as malas, e eu argumentei que já tinha pago o que tinha a pagar e então disseram que tinha de lhes dar algo porque também tinham filhos e pronto no fim de tanta conversa lá tive de lhes dar uns presentinhos forçados para poder sair de lá.
Quando sai, vi logo uma freira e calculei que fosse a pessoa que tivesse a minha espera e dirigi-me a ela a qual estava acompanhada por um motorista que me ajudou com as malas.
Ao sair do aeroporto passamos pela zona da cidade mais caótica a qual era extensa, é claro que já sabia que ia encontrar muita pobreza, contudo afirmo que fiquei chocada, senti alguns arrepios e a piorar a situação íamos três numa carrinha de dois lugares, o que não me deixava nada segura!
Bem eu estava deserta para chegar ao sitio onde ia ficar, mas antes ainda fomos a casa mãe das irmãs numa das avenidas mais ricas da cidade de Maputo só depois dessa visita é que fomos ter até ao Centro de acolhimento de rapazes situado na zona infulene.
O centro era grande era casa dos órfãos e ao mesmo tempo escola das crianças daquela zona, havia muito movimento!
Almocei e depois fui ver o meu quarto, o qual se situava na enfermaria era estranho mas sinceramente pensei que iria para um sitio bem pior.
Durante a tarde dormi porque estava extremamente cansada do voo e precisava de me adaptar ao fuso horário, mal sai do quarto cruzei-me com uma irmã portuguesa que me cravou para ir com ela, conversamos um pouco e entretanto chegamos para meu espanto a uma igreja! Depois da missa fomos jantar e depois do jantar elas foram rezar e eu “escapei-me” e fui ter com os miúdos do centro e tivemos a conversa no fim da conversa um miúdo vira-se e diz-me – sabe o sonho de qualquer prato e casar com uma white! (white é o que eles chamam as pessoas de raça branca).
Lembro-me que perguntei o porque e os mais velhos fizeram-lhe sinal para se calar e assim acabou o meu primeiro dia em Moçambique.


Os dias que se seguiram:

Aconteceram varias coisas durante a primeira semana, lembro-me que no segundo dia da minha estadia uma irmã pediu me para acompanhar um jovem a casa de uma professora que tinha levado a maquina de calcular, o caminho ainda foi longo no inicio não aconteceu nada fora do vulgar, so mesmo quando estávamos a chegar a casa da tal professora as crianças pequenas que estavam na rua começaram a fugir umas para as suas casas outras para debaixo das saias das mães e outras sabe-se lá para onde, o dercio o jovem que me acompanhava tinha vontade de se rir mas não o fez por respeito creio eu! Contudo eu perguntei-lhe porque é que crianças tinham medo dos brancos e ele comentou que não era propriamente medo mas sim que não estavam habituados. Ao inicio também me passou pela cabeça que era raro verem uma pessoa branca mas como o centro de acolhimento era praticamente ali ao lado e maioritariamente era dirigido por irmãs brancas pensei que já tivessem habituados a verem pessoas de raça branca. Na altura fiquei um pouco atrapalhada mas hoje quando me lembro dá-me vontade de rir!
Lembro-me que nessa semana também ouve a festa da gratidão alias havia muitas festas religiosas, mas aquela ate foi engraçada, houve muitos preparativos lembro-me ate de ter ajudado na cozinha a descascar batatas com os miúdos os quais estavam contentes e muito divertidos.

Algumas peripécias vividas em Moçambique (excertos do diário):

Ida ao hospital…
…Ontem dia 31 de Janeiro tive o dia mais cheio de trabalho desde que cá estou, mas sinceramente foi interessante em certa parte, comecei as 6h30 da manha a fazer apadrinhamentos e dei aulas na escola dos padres ate as 12, depois de almoço apanhei chapa para inhabane para ir ver uma menina interna aqui nas irmãs que tinha sido operada a uma infecção que tinha no pescoço, foi difícil descobri lá naquele hospital corri o hospital de um lado ao outro e não havia sinal da miúda, quando andava de um lado para o outro a entrar em todas as salas e quartos, fiquei chocada, vi pessoas em muito mas condições, pessoas a morrer, enfim completamente chocante, mas o pior foi quando fui a pediatria e vi varias mães e crianças em péssimas condições de higiene, onde tive a infelicidade de me cruzar com ratos bem grandes andar de um lado para o outro, e as escondidas agarrei no meu telemóvel e gravei um pouco os ratos. Sai dali o mais depressa possível e voltei a procurar a miúda ate que a encontrei a brincar na rua com a tia Beatriz empregada das irmãs que esta lá a acompanhar a menina, ela que tinha o pescoço todo ligado mas isso não a impedia de brincar e sorrir. Depois de lhes fazer um pouco de companhia fui de novo apanhar chapa o que estava difícil por causa da hora…

A falta de televisão nas famílias
Estou escandalizada e ao mesmo tempo chocada.Hoje estive a fazer um estudo de quantos irmãos tem em média os alunos da escola dos padres e quantas refeições fazem por dia. A conclusão foi que a maior parte das famílias têm mais de 7 filhos existindo casos de alunos terem 29 irmãos 21, mas o mais chocante para mim foi de saber da existência de um senhor que têm 37 mulheres e cento e tal filhos, e quase todos vivem na mesma casa, eu uma vez vi qualquer coisa sobre este senhor nas noticias, mas tinha visto a noticia a meio e não percebi bem.. mas 100 filhos é obra!
Já no que toca as refeições fiquei com pena de muitos jovens que normalmente só fazem 2 refeições almoço e jantar, eles vem para a escola as 6h15 e ficam ate as 14 sem comer, pois não têm possibilidades de comprar nada e a comida que têm em casa é pouca para fazer lanche p trazer para a escola. A maior parte destes alunos vivem longe da escola o que os leva a levantar por volta das 4 h e tal da madrugada, para poderem estar a horas na escola, mas o impressionante é ver a força que estes têm para vir a escola aprender.
O não comer durante tantas horas prejudica-os em termos de aproveitamento escolar, mas estes como têm uma força interior enorme, esforçam-se ao máximo

oratório

O oratório e o que os padres e as irmãs chamam ao tempo que é destinado as crianças para brincarem, jogarem etc. Isto normalmente durante o ano lectivo faz-se no domingo, mas os padre salesianos este ano mudaram isso e formou um grupo de jovens em animação os quais todos os dias agora nas ferias iam as aldeias no meio do mato, para brincarem com as crianças, tendo como objectivo ocupar estas crianças de uma maneira educativa, eles convidaram me para ir com eles e foi de verdade muito giro, na verdade foi das melhores coisas que fiz cá em Moçambique. Nas sextas-feiras é feito um passeio onde vai quem quer, eu fui esta sexta com eles a um passeio que foi a praia, levantamos nos cedo e fomos com um caminhão passar por vários bairros e aldeias a recolher as crianças que queriam ir ao passeio... tudo foi uma aventura.
Mas tenho a dizer que o que mais me fascinou foi a alegria daquelas crianças, uma das outras coisas foi a maneira como o padre lida com estas crianças, preocupa-se com o bem estar delas e não com o dele. na verdade já estava a ficar com ma imagem da igreja depois de tudo o que estas irmãs fazem, mas agora estou a ficar com uma melhor imagem da igreja, mas com uma grande "mancha" quando se fala de irmãs....

Natal

Diria que este foi o pior natal da minha vida. Para alem de estar longe da minha família da minha aldeia e dos meus amigos, ainda tive que aturar o mau humor e antipatia da ir superior. De verdade ao ouvir os seus comentários infelizes e sem sentido fique muito deprimida e com uma grande vontade de deixar tudo e voltar para casa, a verdade é que cada dia que passa fico mais desiludida com tudo isto, o que me prende aqui sinceramente já n e quase nada...a véspera de natal e o natal foi passado praticamente dentro do meu quarto, a chorar a pensar seriamente em voltar p casa...Quanto ao jantar eu jantei com as irmãs do infulene pensava também que iria jantar com os meninos , mas todo o meu pensar estava errado, os meninos jantaram como habitualmente já as irmãs tinham uma mesa recheada de tudo o que era bom... enfim em da p explicar o que senti...Fui a missa do galo com tds os meninos quando voltamos havia um lanche e seria distribuído as prendas , mas nem nesse lanche elas apareceram, se os meninos são meninos abandonados pelos pais os quais são carentes de carinho e amor , também são abandonados por estas irmãs, pois apenas lhes dão um tecto p dormir e comida que elas n comem...Enfim assim foi o meu natal e de muitas crianças por aqui...

A aventura do chapa, para n chamar outra coisa... :(

Tive que ir a cidade e claro lá fui sozinha mas com muito medo, com qualquer coisa me assustava, depois de ter terminado o que tinha para fazer tinha combinado ir almoçar a casa de Begas pois havia lá festa! Mas eu tinha de apanhar um chapa para conseguir ir ter a casa dela, foi então que a aventura começou, vi um chapa e fui perguntar como poderia eu fazer para apanhar um chapa para capuchinho, ele explicou-me mas entretanto reparei que um desses vendedores de rua estava a mandar me uns olhares e a tentar meter-se na conversa, o seu aspecto meteu me medo e só me veio a cabeça se eu ficasse ali ele iria assaltar-me, então entrei no chapa! Pedi ao cobrador que me indicasse um sitio onde poderia ficar para fazer ligação com o chapa que eu precisavam, ele muito simpático o fez, assim que sai deste chapa fui procurar um chapa de faixa vermelha como me tinha explicado o cobrador, vi um e perguntei eram dois rapazes novos e simpáticos, os quais me disseram que sim, apenas tinha de esperar, esperei que abrissem a porta, e depois estava a espera que entrasse mais gente, mas ninguém entrou, estranho pk normalmente o chapa vai mais que cheio, entretanto meteram conversa e eu respondia, em segundos vejo um outro homem a entrar para o lado do condutor e mais outro gajo a entrar bem assustei-me, não sabia o que se estava a passar, mas rápido vi que eram todos conhecidos, fiquei tranquila ate que eles me disseram: - a menina tem pressa ? Eu sim, mas porque, eles disseram que tinham de ir buscar uns documentos, eu disse que podia sair ali e apanhava outro chapa, mas n me deixaram, bem que medoooo.. ok eu pensei mil e uma coisas, mas fui sempre muito simpática , depois de tantas perguntas, perguntei eu – mas que documentos são esses? Lá me explicaram que a policia lhes tinha tirado a licença , e queria dinheiro para a devolver, mas sendo tudo ilícito, depois de darmos voltas e mais voltas pela cidade, lá vi eles a negociarem com a bofia, mas como eu estava ali a bofia n queria receber o dinheiro, então mandaram seguir o chapa e saiu um dos rapazes.... quando percebi a historia fiquei mais tranquila e vi que me estavam a falar a verdade, ate que depois vi que o chapa n estava a ir p onde eu queria (que era dentro da cidade), estavam a levar-me para fora da cidade..o meu medo voltou, mas perguntei o porque de sairmos da cidade, eles disseram que era para eu apanhar um chapa que me leva-se ao sitio que eu queria, porque aquele n fazia aquele trajecto, ou seja enganaram-me ! Bem o meu medo aumentava de uma maneira descontrolada… …pior foi quando vi o sitio onde me iam deixar, um sitio chamado P. Combatentes, para quem conhece sabe o que estou a falar…sitio este cheio de vendedores ilícitos e todo o tipo de pessoas, por fim cheguei a conclusão que se eu n tivesse sido simpática com eles muita coisa me podia ter acontecido... para sair dali tive de pagar a uma senhora de idade para me acompanhar ate a cidade, pois estando com uma senhora maior o risco era menor e graças a deus tudo acabou por correr bem... mas pergunto-me porque será que isto aconteceu? Acho muito estranho, e cada dia que passa acho mais estranho ainda. E sinceramente o que acho é que foi a mando de alguém… não encontro outra explicação !

Um dia para esquecer!

O dia começou logo mal pela manha quando tive de viajar na parte de traz de uma carrinha com uma menina e com 16 galinhas... enfim! A viagem parecia que não tinha fim e a estrada parecia ter mais buracos do que da ultima x... depois tinha pedido a irmã que passasse por Infulene para eu deixar as minhas malas, mas ela feita bruxa não passou! Logo seria muito mais difícil para mim apanhar chapa a tarde quando fosse para casa.. mas pronto! Passei praticamente o dia na casa provincial em Maputo, aproveitei depois em sair com a irmã Benedita para ela me ajudar com as malas no Chapa.. mas mesmo com a ajuda da irmã foi muito difícil, praticamente os chapas já vinham cheios quando chegavam ao pé de nos, então andávamos de um lado para o outro para ver se conseguíamos, acabei por estragar a minha mala e quando fomos para outra paragem um gajo deu me um pontapé por traz, não percebi porque, tive sorte porque tinha a mochila porque se n tinha me magoado, não sei se foi algo de racismo ou o que foi, a irmã Benedita diz que ele era maluco, aspecto tinha mas n sei, eu reparei nele quando vinha de frente vi que ia descalço e roto mas como já e tão normal ver pessoas assim, n me admirei.. tipo enfiou me um pontapé, e continuou a andar como se nada tivesse acontecido eu não tive grande reacção, apenas olhei p ver o que tinha acontecido, e apercebi-me que se ele me quisesse ter batido batia porque as pessoas que estavam na rua, nada iriam fazer , para me defender! Agora tenho medo muito muito medo..


Será que há freiras sem coração?

Pois eu digo que sim, foi em Namaacha que as conheci! Nestes últimos tempos não tenho ficado com muita boa impressão das freiras, mas destas de Namaacha foi bem pior. Descobri que castigam as meninas que fazem xixi na cama, mas não e um castigo qualquer, pois estas crianças passam a dormir no chão e para alem disso não podem jantar, ficando assim mais ou menos 20 horas sem comer! Sinceramente acho desumano castigar as meninas pelo facto de fazerem xixi na cama, pois são crianças que viveram situações muito complicadas e normal que tenham medos, traumas etc..já e bastante vergonhoso para elas, quanto mais castiga-las!
No segundo dia da minha estadia vi uma menina que estava a fazer limpeza ao jardim cair para o chão, perguntei o que tinha e ela disse que estava com fraqueza, eu pensei que seria pelo facto de estar a trabalhar desde as 7 h da manha sem tomar o pequeno almoço que só era as 10h , mas só nesse dia a noite e que me apercebi realmente da situação porque havia uma menina de 5 anos que não estava a jantar, mandei-a jantar mas ela disse que não podia, eu obriguei-a e ela começou a chorar, assustei-me! Mas depois uma das miúdas grandes veio explicar-me que as meninas que fazem xixi não podem jantar.... fiquei parva, n queria acreditar, mas o pior foi quando me apercebi que n era 1 nem 2 meninas mas sim 16 em 30 e tal meninas... não aguentei e fui falar com as freiras, tentei falar calmamente, e fazer ver-lhes que não era assim que iriam conseguir, mas elas não queriam que eu fala-se sobre este assunto, tentando dar sempre a volta ao tema, mas como sou teimosa continuei, ate conseguir que tirassem este castigo estúpido as meninas... enquanto lá estive elas passaram a jantar, e espero que seja assim daqui para a frente...

Branquinha…
vinha eu de da cidade no chapa na companhia de laquino e begas os quais sempre me acompanham ate casa, para conseguir entrar no chapa já e uma grande dificuldade mas nos conseguimos e havia 3 lugares no fundo do chapa .. depois de alguns minutos begas dormia e eu e laquino conversávamos, ate que chegamos a ao sitio onde tínhamos de sair, mas havia tanta gente no chapa que era dificil sair, laquino foi o primeiro, custou mas conseguiu, eu ia atrás dele, mas estava bem difícil mas estava a conseguir quando chego quase a porta para sair, um cromo estúpido viu-me e gritou HEI, Hei UMA BRANQUINHA, DEIXEM A BRANQUINHA SAIR, bem eu fiquei logo nervosa com toda aquela situação mas n bastou ele acabou por me agarrar um braço e começou a puxar-me e os outros homens aproveitarem-se também dando-me um empurrãozinho.... que nervos! Quando me vi naquela situação agarrei a mão de begas para sairmos juntas.. quando begas coloca o 1 pé fora do chapa desata-se a rir, e a chamar-me branquinha......

o mercado ....

aqui o mercado faz-se todos os dias, sim sem duvida e completamente diferente de qualquer mercado da Europa....aqui as condições sanitárias n existem basicamente nem sabem o que isso é...como é desumano todas estas condições...a pior imagem com que fiquei foi de ver um dito talho, com carne ao ar livre e cheia de moscas, pó e tanta gente a mexer na desejada carne ...horrível....

o lixo....
A cidade de Maputo é invadida por lixo e mais lixo onde quer que passes vês lixo no chão, mas n digo lixo de um papel ou de uma garrafa, mas sim montes de lixo, o qual com o calor cheira muito mal e com a chuva se espalha ainda mais..Pior ainda é ver numa zona cheia de lixo a servir de chão de um mercado, mas aqui é o prato do dia, o mercado aqui é feito msm em cima de carradas de lixo. Eu ainda n fui msm ao mercado grande pois dá-me muitos arrepios.Quando vou da cidade de Maputo para a zona infulene onde durmo a paisagem é feita de barracas mas principalmente lixo e mais lixo, são km de lixo a mistura com barracas onde vivem pessoas e ate msm barracas de comercio...na verdade nos primeiro dias baptizei Maputo por cidade do lixo..só mesmo vendo para acreditar...

a pobreza..

Na verdade eu sabia mais ou menos o que vinha encontrar, mas é sempre tão diferente quando vimos com os nossos próprios olhos , é triste e desumano as condições em que vivem a maioria destas pessoas, algumas não querem reconhecer perante as outras, as condições em que vivem tentando mostrar outra realidade.Enquanto outras n se importam pois dizem que faz parte da cultura deles serem pobres andar descalços e viver numa barraca onde praticamente só se pode dormir...aqui é tão normal ver alguém só com um sapato, no outro dia tive a ver um jogo de futebol onde haviam miudinhos e já uns rapazes bem granditos todos misturados divertindo-se a jogar mas eu n reparei só na alegria destes jogadores mas sim como para eles era tão natural jogar só com um sapato ate msm sem ele ou de meias a fazer de sapatos. Para mim é chocante por saber esbanja que nos europeus fazemos, se temos uma camisa com um buraco , já n vestimos e eles se lhes derem uma camisa cheia de buracos ficam tão agradecidos e contentes...

eu e a agua de coco

eu e a agua de coco
na casa da ti bia

eu e a menina que me deu força p continuar..

eu e a menina que me deu força  p continuar..
tininha uma menina pekenina com uma grande historia de terror

a preparação da minha despedida!!

a preparação da minha despedida!!
no bairro dos estudantes
Não existem mensagens.
Não existem mensagens.